Diversos estudos epidemiológicos indicam que existe uma significativa relação de causa-efeito entre o consumo de substâncias psicoativas e a ocorrência de problemas no local de trabalho como a violência, o presentismo, o assédio, o absentismo e o aumento de número de acidentes.

Deste modo, torna-se relevante a adoção de programas preventivos que assegurem a produtividade e a competitividade das organizações, tendo em conta que a implementação de um plano de prevenção evita o gasto bem mais avultado em eventuais despesas com o tratamento e resolução dos danos causados.

As consequências ao nível do local de trabalho vão muitas vezes de encontro a um desgaste ao nível cognitivo, físico e psicológico do colaborador e ainda a uma perturbação na organização e na segurança do ambiente de trabalho.