Tendo em conta que é no local de trabalho que passamos a maior parte do nosso tempo, os riscos que dele advêm não devem ser ignorados para que as organizações possam dispor de colaboradores ativos, saudáveis e comprometidos.

A qualidade da performance desempenhada pelos colaboradores só pode ser assegurada se a sua saúde e bem-estar for devidamente promovido. É essa a função deste programa e da própria fisioterapia: avaliar, prevenir e garantir a saúde do colaborador no seu local de trabalho.
Para tal, aspetos como a ergonomia, a atividade física laboral e a recuperação de lesões ou desconfortos físicos ocasionados pelas tarefas exercidas durante as horas de trabalho, estão entre os principais elementos trabalhados pelo fisioterapeuta.

Os fatores de risco ergonómico decorrem normalmente da gestão das situações de trabalho, como são exemplo as seguintes: posturas adotadas, movimentos repetitivos, atividades monótonas, manipulação de cargas e esforço físico.

 

Estes riscos podem gerar distúrbios psicológicos e fisiológicos, suscetíveis de provocar sérios danos à saúde do trabalhador e comprometer a sua segurança e produtividade, como por exemplo: cansaço físico, perturbações músculo-esqueléticas, hipertensão arterial, alteração do sono, doenças nervosas, doenças do aparelho digestivo.