As empresas que assumam publicamente que repudiam a corrupção estão a manifestar um compromisso com a ética e a integridade.

Enquadramento

Algumas iniciativas de corrupção são praticadas conscientemente visando ganhos pessoais ou para a empresa. Outras são realizadas com relutância, numa perspectiva de que é necessário adoptar estas práticas para manter a competitividade ou para retaliar práticas da mesma natureza realizadas pela concorrência. Existem ainda outras pessoas que acreditam erradamente que as práticas de corrupção são actos de gestão normais e não constituem um crime. Apesar destas diferentes abordagens corrupção é corrupção, qualquer que seja o motivo e a origem.
Para além disso, não existe apenas quem recebe um suborno, existe também quem o paga, pelo que esta ameaça necessita de ser combatida de forma transversal, sob pena de estarmos a sabotar a própria democracia em que gostaríamos de viver e a sustentabilidade da sociedade que queremos deixar aos nosso filhos.

Do ponto de vista empresarial esta é uma problemática complexa e muitas empresas têm sido seriamente punidas por actos de corrupção, incorrendo em penalizações legais que resultam em pesadas multas, que afectaram a sua reputação e colocaram em risco a sua licença para operar. Este tem sido aliás o business case que leva muitas das empresas a investir em programas de ética e integridade para prevenir situações futuras que coloquem e causa o seu valor e longevidade.

Mas a verdade é que as empresas se confrontam diariamente com situações em que a tomar a decisão correcta é difícil, sendo que muitas vezes nos encontramos perante um dilema ético. Dada a impossibilidade de regulamentar todas as situações e controlar todas as decisões, a solução passa também por ter princípios claramente explícitos, orientações de carácter ético e por vezes até padrões de comportamento definidos, que apoiem os colaboradores na sua tomada de decisão.

Gostaríamos que interpretasse este curso como uma iniciativa que visa envolver proactivamente o sector privado em esforços anti-corrupção. Durante o mesmo iremos explorar mecanismos, instrumentos e iniciativas voluntárias de combate à corrupção que estão ao alcance das empresas que compreendam o business case desta iniciativa.

Objetivos

No final da formação, os participantes estarão em condições de:

  • Identificar o que se espera de quem ocupa cargos de responsabilidade e confiança, relativamente à temática da corrupção;
  • Identificar e compreender os diferentes instrumentos internacionais e nacionais de combate à corrupção;
  • Reconhecer as diferentes formas de corrupção e agir sobre esta temática ao nível das políticas da sua organização;
Programa

Duração: 14 horas

  1. O que é a Corrupção?
    1. Enquadramento e principais definições do termo.
    2. Os conceitos tradicionais de corrupção. A corrupção como problema ético e moral. O ambiente e as causas que propiciam a existência de corrupção.
  2. Instrumentos Internacionais, Europeus e Nacionais de Combate à Corrupção
    1. Global Corruption Barometer, 2009, Transparency International.
    2. Principais resultados do estudo. Percepção da corrupção nos sectores chave.
    3. UNCAC – United Nations Coalition Against Corruption
    4. O caminho que Portugal já percorreu
  3. Poder e Corrupção
    1. Apresentação de dilemas éticos e conflitos de interesse, com vista a desenvolver pensamento crítico. 
    2. Os custos da corrupção, para os países, a sociedade e as instituições e organizações.
    3. A corrupção como barreira à competitividade.
  4. Uma Ética Global
    1. A crise de valores. A criação de um patamar mínimo para uma ética global.
  5. Mecanismos de Combate à Corrupção 
    1. Declarações e Códigos de ética, soft law, sistemas internos de denúncia. Formação e treino às funções de risco.
    2. Auditorias internas.
  6. Programas de Combate à Corrupção
    1. Identificação dos processos de maior risco. Os elementos chave do programa de combate à corrupção e ferramentas de implementação.
  7. Casos práticos
    1. Análise de casos e reflexão sobre os mesmos com vista a desenvolver sensibilidade para a identificação de factores de risco.
  8. Promoção do Combate à Corrupção
    1. “Embaixadores anti-corrupção”. Encorajamento à implementação de programas e adopção de medidas de combate à corrupção.
Destinatários

O curso está orientado para:

  • empresários;
  • gerentes;
  • quadros superiores e intermédios;
  • membros de comissões de ética e chefias operacionais;
  • bem como todos aqueles que desejem aprofundar conhecimentos sobre a temática.

O programa desta acção pode ser adaptado em função das necessidades da sua organização. Consulte-nos!